Civil

MODELO DE PETIÇÃO CIVIL. SEGURO. COBRANÇA CONTRA SEGURADORA. FURTO DO VEÍCULO. 
NEGATIVA DE PAGAMENTO­. INICIAL

28/12/20 | Comentários desativados em MODELO DE PETIÇÃO CIVIL. SEGURO. COBRANÇA CONTRA SEGURADORA. FURTO DO VEÍCULO. 
NEGATIVA DE PAGAMENTO­. INICIAL

Rénan Kfuri Lopes

Baixar arquivo da petição

Exmo. Sr. Dr. Juiz de Direito da … Vara Cível da Comarca de …

(nome, qualificação completa, endereço eletrônico e endereço), por seu advogado in fine assinado, ut instrumento de procuração em anexo (doc. n. …), vem, respeitosamente, à presença de V. Exa. ajuizar a presente AÇÃO ORDINÁRIA DE COBRANÇA contra COMPANHIA DE SEGUROS …, inscrita no CNPJ sob o n. …, com sede em .., …, à rua …, pelas razões de fato e direito adiante articuladas:

1. O autor adquiriu em …um veículo, marca …, modelo …, ano e modelo …, cor … chassi …, placa …, da …, veículo esse licenciado nesta localidade, residência do autor, conforme certificado de propriedade …, conforme nota fiscal inclusa.

2. Por precaução, o autor celebrou com a suplicada um seguro total do referido veículo, por meio de sua corretora local denominada “…”, com vigência a partir das 24 horas do dia …, com término às 24 horas do dia …, para resguardo futuro de qualquer imprevisto, tudo conforme certifica a inclusa apólice de n. …

3. Para tanto, ao formalizar o seguro, preencheu a proposta, bem como declarou no questionário denominado “perfil” dados essenciais para contratação, bem como que sua filha …seria a condutora principal do veículo.

4. A proposta foi aceita sem nenhuma ressalva pela seguradora, a qual emitiu a referida apólice, segurando dessa forma o referido veículo contra todos os riscos, sendo que a cobertura para caso de furto ou roubo contratado corresponde ao valor de mercado do referido bem, encontrado pela tabela FIPE do mês de liquidação do sinistro.

5. Ocorre que, infelizmente, no dia .., às …, na rua …, em …, quando o mesmo era dirigido por sua filha acima citada, ao guardar o veículo no local dos fatos, foi abordada por marginais e mediante grave ameaça de arma de fogo entregou o veículo aos malfeitores, tudo conforme melhor esclarece o BO n. … do Distrito Policial de….

6. Diante do ocorrido fez a devida comunicação do sinistro à seguradora suplicada, apresentando todos os documentos necessários para a regulação do sinistro e consequente recebimento da indenização pelo furto do seu veículo, inclusive tendo quitado o financiamento junto ao Banco …, a fim de que a seguradora pagasse a indenização correspondente e, já de posse do documento desalienado, providenciasse a localização e futura venda do veículo caso localizado.

7. Pois bem, qual não foi sua surpresa ao receber da seguradora suplicada a carta datada de …, informando-lhe que a mesma declinava do pagamento da indenização, tendo em vista que a referida ocorrência estava expressamente excluída das condições gerais do seguro, conforme dispõe a cláusula … – perda de direitos, alínea “a”, segundo a qual, no entendimento da suplicada, o segurado fez declaração incorreta ou falsa, omitindo circunstância que teriam influência na aceitação ou determinação do prêmio do seguro, como o local do domicílio ou sobre o local de circulação habitual do veículo.

8. Ora, não se vislumbra nos documentos anexos, em especial da proposta de seguro ou no questionário de avaliação e perfil, que tenha o autor omitido qualquer informação que levasse a seguradora à não aceitar o referido seguro, mesmo porque o que questionado foi corretamente respondido, não constando, aliás, como não poderia constar, qualquer cláusula restritiva quanto à circulação do veículo, posto que, como óbvio, a cobertura securitária é extensiva ao território nacional e não apenas na cidade em que o seguro é contratado.

9. Diante do impasse, no resguardo de seus direitos, o autor postulou a reclamação junto ao PROCON de …, procurando por caminhos mais rápidos na solução do litígio com a seguradora suplicada, o que infelizmente não obteve êxito, tendo em vista que a mesma insiste na alegação de que a circulação do veículo era restrita para a cidade de …, o que é um absurdo, já que limitar o uso de um bem móvel está totalmente em desacordo com os direitos definidos no código de defesa do consumidor.

10. Ora, conforme foi salientado anteriormente na proposta, no questionário de avaliação e no perfil, ao contrário do que alega a seguradora para não pagar a indenização, inexiste qualquer cláusula restritiva quanto à circulação eventual fora do local de circulação habitual do veículo, posto que tal cláusula seria abusiva em tentar restringir a circulação de um veículo apenas no município de origem.

11. Assim, não houve por parte do segurado qualquer infringência ao art. 766 do Código Civil, de modo que possa amparar a pretensão da seguradora em não pagar a indenização correspondente ao furto de seu veículo.

12. Cabe ainda salientar que, ao contrário do que alega a suplicada, nos termos do art. 757 do Código Civil, a seguradora é obrigada a indenizar o prejuízo resultante de risco futuro previsto no contrato, e tal previsão “furto” está amplamente garantida no contrato, já que, conforme previsão contida no art. 760 do Código Civil, tal risco está assumido, inexistindo “quaisquer outras estipulações” em contrário a cerca da restritiva circulação do veículo, vedando seu uso em …, já que não houve qualquer indício de má-fé do segurado, quanto ao seu endereço e utilização do veículo, conforme se comprova pela decisão proferida na Apelação Cível n. 260.553-1 SP – 1ª Câm. de Direito Privado – Rel. Marcondes Machado – 27.08.96 – v.u.

13. Quanto a isso, tal ocorreu em situação emergencial, já que a filha do segurado, Srta. …, eventualmente deslocou-se de …para …, na condução do veículo segurado, tendo em vista que seu veículo particular marca …, cor .., placa …, no dia dos fatos, encontrava-se na firma … para consertos, razão pela qual, numa emergência esporádica e com dificuldade para deslocar da sua casa para seu local de trabalho, usou o veículo segurado, conforme documentos anexos.

14. Bem por isso, “o simples fato de veículo ter sido furtado em município diverso daquele em que foi contratado o seguro não afasta a responsabilidade da seguradora indenizar o infortúnio, se na apólice inexiste qualquer cláusula nesse sentido” (Ap. Cível 680.475-3, 1ª Cam. TAC, j. Correa Lima, in RT 755/266), evidenciando, desta forma, que nenhuma restrição para uso do veículo estava limitada ao município da contratação do seguro.

15. Assim sendo, o uso foi emergencial, esporádico e não habitual, bastando para tanto verificar a inclusa declaração do empregador de sua filha, a empresa …, pela qual se verifica que a mesma utilizava sempre e habitualmente seu veículo …, de placa …, o qual permanecia estacionado no local de seu emprego, em estacionamento interno reservado aos funcionários.

16. Nestas condições, as alegações da seguradora suplicada são infundadas, já que, se eventualmente pretendesse restringir a circulação do veículo, deveria constar expressamente nas condições gerais do seguro, e não apenas em supostas alegações, mesmo porque, como sabido, o veículo tem livre circulação nacional, e, não obstante circular a maior parte do tempo no sul de Minas, não estava impedido de circular eventualmente em outro local.

Isto posto, e nos termos do art. 776 do Código Civil, deverá a seguradora suplicada honrar o referido contrato de seguro e pagar o valor correspondente ao veículo segurado ao autor, nenhuma omissão ou falsa declaração ocorreu da parte do autor, que fatalmente acarretaria na perda de direito ao recebimento do referido seguro.

17. Ex positis, o autor requer:

a) seja julgada procedente a ação, para condenar a suplicada ao pagamento de …, correspondente ao valor da tabela FIPE do presente mês, acrescidos de atualização monetária a partir do ajuizamento da demanda e juros legais desde a citação, mais custas processuais e honorários advocatícios sobre o quantum condenatório;

b) seja de plano designada audiência de conciliação ou de mediação, com antecedência mínima de 30 (trinta) dias, citando o réu, via mandado, no endereço registrado no preâmbulo com pelo menos 20 (vinte) dias para seu indispensável comparecimento (CPC, artigos 319, VII e 334 caput e §8º), sob pena de multa de até dois por cento da vantagem econômica pretendida ou do valor da causa;

c) seja-lhe deferido a assistência judiciária, nos termos do art. 98 caput e 99, §3º do Código de Processo Civil, por não ter condições de arcar com as custas e despesas processuais, conforme declaração de insuficiência ora anexada (doc. n. …);

d) a produção de provas documental, testemunhal, pericial, e, especialmente, o depoimento pessoal do réu, sob pena de confissão.

Valor da causa: R$ … (…)

P. Deferimento.

(Local e data)

(Assinatura e OAB do Advogado)

Compartilhe este artigo!

Nenhum comentário

Nenhum comentário ainda.

Sorry, the comment form is closed at this time.